HORÓSCOPO INDÍGENA BRASILEIRO

 

PERSONALIDADE DO SIGNO DE VEADO


Esta divindade solar regente do mês de fevereiro é representada por um veado branco com olhos de fogo, estando à serviço de Guaraci, o sol, a Mente Universal, a Primeira Pessoa da Trindade Tupi, e tem como principal função proteger os animais em fase de aleitamento e gestação, contra os caçadores, e, na mitologia tupi, aquele que matasse uma paca barriguda ou um porquinho em fase de amamentação corria o risco de ser perseguido pela divindade Anhangá ou de simplesmente encontrar Anhangá na floresta, e os olhos vermelhos do veado de Guaraci, lançando faíscas, produziam febre interna no caçador e no malvado que matava um animal pelo simples prazer de matar. Dessa forma, o ministro Anhangá era um mandamento ecológico na floresta que os índios respeitavam e, consequentemente, preservavam a fauna.
     Anhangá é uma representação da natureza revoltada contra a humanidade que destruiu a antiga Atlântida provocando o desequilíbrio ecológico. O Indianismo propõe a tônica de Anhangá como proteção, maternidade, atividade, reprodução, sendo que, historicamente, este signo de veado representa bem a missão que Tamandaré desempenhou de protetor do meio ambiente ao introduzir na filosofia de vida dos índios a ecologia. O veado branco com olhos de fogo serve como figura da natureza revoltada, da ira divina e da missão de Tamandaré. Representa a queda da Atlântida e a missão criadora que todos os nativos de veado devem desempenhar na vida.
     Os nativos deste signo podem e devem adotar a filosofia dessa divindade, tornando-se defensores não só daqueles animais em fase de gestação e aleitamento, mas de todos os animais, assumindo, dessa forma, na Terra, um cargo de ministro de Guaraci, o Deus Sol. Mandamento de Anhangá: não matar os animais, principalmente os animais em fase de aleitamento e gestação.
     Anhangá representa o elemento fogo.